Página 2 de 12 PrimeiroPrimeiro 1234 ... ÚltimoÚltimo
Resultados 11 a 20 de 112

Tópico: Tratamento Acústico sala do Neube Braia

  1. #11
    Neube, excelente idéia dos corner traps!!!

    Estou para refazer minhas armadilhas de grave nos cantos e pretendo implementar algo parecido com o que voce fez.

    Uma dúvida, por que a furação diferente no corner de cima do de baixo?

    Obrigado pelas dicas e parabéns pela sala
    Última edição por juniorbudel; 16-09-14 às 16:47.

  2. #12
    Membro Avatar de Celso
    Data de Ingresso
    Feb 2013
    Localização
    Campinas Sp
    Mensagens
    518
    Neube,muito legal sua dedicação para alcançar os resultados e mostrar para nos

    Abraço a todos!!
    Celso Marques Junior

  3. #13
    Membro Avatar de Neube Braia
    Data de Ingresso
    Sep 2014
    Localização
    Belo Horizonte - MG
    Mensagens
    109
    Junior,

    As medidas destes furos foram tiradas de um texto na internet sobre um estudo do Edu Silva sobre tratamento acústico para estúdios e salas, fiz e funcionou muito bem.


    "A frequência de ressonância (Fr, em Hertz) em que um absorvedor de painel perfurado atua, pode ser calculada através da seguinte fórmula (para furos circulares dispostos em matriz quadrada):

    Fr = 508 x [raiz (P / d.e)]

    onde:

    P = porcentagem de perfuração (área do furo / área do painel x 100)
    d = distância entre o painel e o fundo da caixa, em centímetros
    e = espessura do painel + (0,8 x diâmetro do furo), em centímetros

    A porcentagem de perfuração P pode ser calculada por:

    P = 78,5 x (d/D)2

    onde:

    d = diâmetro dos furos, em milímetros
    D = distância entre os centros dos furos, em milímetros

    |--D--|
    O O O O O
    O ->O<-d O O O
    O O O O O

    A lã de vidro quando acrescentada, altera os valores teóricos calculados.

    Na tabela abaixo temos os coeficientes típicos de absorção para o módulo da figura acima, com três diferentes porcentagens de perfuração (furos circulares): 0,5% (maior absorção de graves); 5% (absorção em médio-graves); e 25% ou mais (faixa ampla)

    Esses valores devem ser usados no cálculo do tempo de reverberação do ambiente tratado.


    Hertz 62 125 250 500 1K 2K 4K 8K

    25% 0,28 0,67 1,00 0,98 0,93 0,98 0,80 0,60

    5% 0,60 0,69 0,82 0,90 0,49 0,30

    0,5% 0,4 0,74 0,53 0,40 0,30 0,14 0,16 0,10 “



    Abs.

    Neube.
    Última edição por Neube Braia; 16-09-14 às 18:34.

  4. #14
    Já construí absorvedor perfurado também...

    Segui um projeto do Gearslutz, mas cheguei à conclusão da maioria das pessoas lá.

    Dá trabalho para montar e sintonizar (sempre será necessário ajustes no ambiente), gasta mais material e o custo final acaba não compensando em comparação à utilização de um absorvedor de banda larga.

    Acho que eu só usaria um absorvedor helmontz se precisasse atacar uma frequência muito baixa em uma sala bem limitada. Ainda assim, eu tentaria um painel de membrana feito de aço ou ficaria somente no uso de EQ mesmo.

  5. #15
    De qualquer forma a experiência é bastante válida, pois já vi resultados muito positivos também.
    Aliás, nunca vi um consenso de opiniões sobre tratamento acústico, parece que cada caso é um caso. Eu fiz um tratamento básico mesmo, trabalhei muito com o posicionamento das caixas, dos objetos da sala, e o restante corrigi pelo DSP.
    Estou muito satisfeito com os resultados, mas já vi ótimos tratamentos realizados com os mais variados conceitos acústicos, e já percebi que o que serve para um caso pode não servir para o outro e vice-versa, por isso nenhuma experiência pode ser desmerecida, mas deve sim ser sempre compartilhada, e testada caso a caso.
    Eduardo

    ____________________________________________

    Audiofilia: Retroceder Nunca, Render-se Jamais

    www.hifiplanet.com.br

  6. #16
    Desde que a pessoa chegue no resultado desejado, qualquer experiência é válida sim.

    Esse é um ponto interessante no mundo do áudio, não é mesmo ? Desde que eu chegue no resultado desejado, qualquer caminho é válido. No mundo da acústica, que está inserido no mundo do áudio, funciona do mesmo jeito.

    Deixo aqui o tópico do Gearslutz que serviu de inspiração para a construção dos basstraps sintonizados que eu fiz:
    https://www.gearslutz.com/board/bass...ltz-fever.html

    Se olhar a medição final do cara, ele chegou em um resultado FANTÁSTICO para uma sala tão pequena. Só que o cara construiu mais de 30 absorvedores sintonizados. Dá um trabalho danado. Pois tem que ir sintonizando eles aos poucos. Procurar a melhor localização e etc... Só que o resultado é incontestável.
    Uma vantagem clara de absorvedores sintonizados, é o fato deles não retirarem do ambiente a energia das altas frequências.

    Só que a minha experiência foi bem essa. O tempo e custo para fazer esses absorvedores não compensou e esteticamente não foram muito viáveis também.

    Gostaria de aproveitar para comentar algo interessante que eu já percebi sobre o tema tratamento acústico.
    As pessoas vão sempre falar para procurar um especialista, como se o cara fosse o mágico de OZ e pudesse transformar uma sala ruim em uma sala perfeita gastando pouco e deixando ela linda.
    Isso não existe.

    Nos dois anos que eu venho acompanhando a AES e os fóruns que discutem acústica, eu percebi que as pessoas que mais contribuem com conhecimento, são os usuários comuns. Nesses fóruns gringos, podemos ver as pessoas aplicando "n" conceitos teóricos com sucesso. Em engenharia, a coisa funciona assim. Alguém estuda e publica como o mundo se comporta fisicamente, mas a forma de pegar esse conhecimento e tornar em algo prático é algo bem diferente.

    Já os profissionais, ou pessoas com interesses comerciais, não costumam levar nenhum conhecimento real para as discussões. No máximo, vão dar dicas que sejam compatíveis com os seus produtos. Ou seja: "faça isso e, por acaso, eu tenho um produto que te atenderá nisso que você deve fazer".
    Aqui no Brasil é pior ainda, pois elas tentam desqualificar qualquer pessoa que não tenha um "especialização" ou nome no mercado. Infelizmente, o Brasil tem muito a crescer ainda. Tanto culturalmente, como socialmente.
    Já viram como funciona a dinâmica do fórum DIY ? Quando o cara sabe fazer algo bem feito, ele não ensina os outros. Ele fica exibindo o que faz procurando oportunidades de negócio. Não faz nada de produtivo para a comunidade.

    Enfim, só uma pequena reflexão, por causa de um comentário que vi agora pouco em outro fórum...
    Vendedor de voodoo desqualificando a contribuição dos outros.... parece piada pronta...
    Última edição por DeMorgan; 16-09-14 às 21:14.

  7. #17
    Membro Avatar de Neube Braia
    Data de Ingresso
    Sep 2014
    Localização
    Belo Horizonte - MG
    Mensagens
    109
    Eduardo,

    Realmente uma sala é diferente da outra e os sistemas inseridos nelas também são sempre diferentes, então um projeto que deu certo numa sala pode dar errado em outra, tem que experimentar muito.

    Acho que relatando aqui minhas experiências, poderá ser aproveitadas por qualquer pessoa que queira arriscar em melhorar seu som sem precisar trocar de cabos, trocar de caixas, trocar de CD o tempo todo, sendo que o problema pode estar na sua sala de música, fica bem mais em conta e o resultado é imediato, não precisa queimar umas 300 horas um difusor para perceber uma melhora significativa nele.

    Abs.

    Neube.
    Última edição por Neube Braia; 17-09-14 às 15:10.

  8. #18
    Membro Avatar de Neube Braia
    Data de Ingresso
    Sep 2014
    Localização
    Belo Horizonte - MG
    Mensagens
    109
    DeMorgan,

    Parabéns pelas suas palavras.

    Você disse palavras certas sobre a turma que acha que só aquele especialista Europeu ou Americano vai fazer um trabalho excelente na sua sala de música, todos que quiserem arriscar em estudar um mínimo possível sobre o assunto e colocar em pratica este estudo, tenho certeza que vai se dar muito bem. Chega de ser ludibriado pelos oportunistas que estão de montão no meio audiófilo, é cada uma que inventam que perco até o rumo de casa.

    Abs.

    Neube.

  9. #19
    Membro Avatar de eaoyama
    Data de Ingresso
    Sep 2012
    Localização
    São Paulo - SP
    Mensagens
    88
    Eu particularmente gosto muito dos sintonizadores helmontz, principalmente para baixas frequencias, exatamente pelo que o DeMorgan disse, não retira a energia de outras regiões. Geralmente deixo opção para ajuste fino.

    Atualmente estou pensando em montar um painel na parte de traz seguindo o principio MLS (Maximum Lenght Sequence), por sentar relativamente próximo a parede de traz, e se montar qualquer difusor qrd terei problemas de comb.

    []s


    www.magisaudio.com

  10. #20
    eaoyama,
    esse aqui ?
    https://www.gearslutz.com/board/stud...-diffuser.html

    Acho bem interessante. Seria legal "experimentar" algumas salas com esse tipo de tratamento.
    É uma outra forma interessante de construir painéis acústicos, também, se houver simetria no ambiente e interesse em diminuir a absorção dos painéis acústicos.

    Uma resultado que eu vi recentemente e que me impressionou foi esse aqui:
    https://www.gearslutz.com/board/bass...bsorbtion.html

    Fácil de fazer e resultado bem consistente. Qualquer um pode fazer com baixo custo e eu acho bonito.

Permissões de Envio de Mensagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •