Página 1 de 15 12311 ... ÚltimoÚltimo
Resultados 1 a 10 de 150

Tópico: Construção de sala dedicada .

  1. #1

    Construção de sala dedicada .

    Amigos depois de anos vou construir uma sala dedicada já que comprei outro imóvel que me permitiu este sonho.
    A sala terá 4.30 de largura e 7.30 de comprimento com um pé direito de 2,60 nos cantos e 2,70 no centro.Oque vocês acham das medidas?
    O chão vai ser assoalho de madeira devido os canos que estão sobre a laje e o teto pretendo fazer de mdf, parede frontal e traseira revestida em madeira vou postar fotos quando chegar em casa.

    abraço
    Lorival

  2. #2
    * Membro VIP * Avatar de fibra
    Data de Ingresso
    Apr 2011
    Localização
    Campinas - SP
    Mensagens
    4,813
    Agora sim, sala dedicada é outra coisa !

    Tópico assinado.

    Abraço.
    █ AMD FX-8350 @ 4.7GHz █ Thermaltake Water 3.0 Performer █ Gigabyte 990FXA-UD3 Rev. 4.0 █ Corsair AX860 Full Modular 80 Plus Platinum █ Kingston HyperX Fury Blue 1866MHz HX318C10F/8 (1 x 8GB) @ 2099MHz [CL9,11,10,30,42] █ 3 x Samsung 840 EVO 120GB SSD em RAID0 █ AMD Radeon HD3870 core@900MHz mem@1250MHz █ Corsair Carbide Air Series 540 █ NZTX's Sentry Mesh Fan Controller

  3. #3
    Parabéns pela oportunidade , é o sonho da maioria ...
    Acho que as medidas são bem razoáveis , vai manter o set ?

  4. #4
    Meus 2 centavos:

    Cox, D'Antonio e Avis [1] estabeleceram um novo método para determinar proporções ótimas para as dimensões de uma sala retangular, bem como para o posicionamento dos equipamentos e dos ouvintes. Eles tiveram o cuidado de compará-lo com as outras teorias já desenvolvidas e publicadas, mostrando que seu novo cálculo produz, de fato, proporções com melhores condições acústicas nas salas do que qualquer outra proporção já publicada.

    Se a qualquer momento o artigo ficar um pouco "técnico" demais, basta pular direto para a conclusão.

    Como sabemos, a qualidade do som reproduzido numa sala fechada depende fortemente da acústica da sala. Numa sala não tratada o equilíbrio tonal e o timbre reproduzido podem sofrer muita influência do desequilíbrio de energia ao longo do espectro de frequências, típico de uma sala pequena não tratada, ou seja, nossas salas de audição.

    Esse problema é particularmente perturbador nas frequências baixas, onde os famosos modos ressonantes ou ressonâncias podem distrocer seriamente a resposta final.

    Todos os métodos desenvolvidos até recentemente procuravam explorar de algum modo uma melhor distribuição dessas ressonâncias e variavam apenas no modo como se utilizavam da equação que define as frequências de ressonância numa sala retangular rígida. Bolt [2], Gilford [3], Louden [4], Bonello [5], Walker [6] e a EBU [7] foram os principais estudiosos desse assunto e todos sugeriram diferentes proporções que, segundo seu critério, seriam "ótimas", no entanto todos os métodos apresentados têm limitações:
    Só se aplicam a salas retangulares e de superfícies rígidas, fazendo com que as frequências calculadas sejam diferentes das frequências reais por conta dos materiais absorvedores inerentes às salas reais, modificando portanto a relação entre essas frequências, que sempre foi a base dos métodos;
    Vários desses métodos só se utilizam das ressonânicas axiais, o que já se provou ser uma conta muito superficial, visto que no mundo real, novamente, a absorção influi de modo diferente em cada tipo de ressonância (axial, tangencial ou oblíqua);
    O critério usado para avaliação da sala - espaçamento entre as frequências de ressonância - é empírico e subjetivo por natureza.
    O método inclusive foi testado contra o "golden ratio" e se mostrou melhor.

    Num trabalho recente, mas anterior ao artigo de Cox, Walker [6] mostrou que não se pode aplicar uma proporção "ótima" qualquer da literatura a qualquer volume de sala, porque a resposta modal da sala depende de seu volume!

    Essa conclusão sozinha já é importantíssima e requer que vocês observem que qualquer proporção só é válida acompanhada do volume para o qual ela foi calculada, caso contrário ela não tem qualquer significado prático.

    O novo método proposto no artigo em referência se propõe a determinar as proporções que, para determinado volume, confiram à sala a resposta modal (resposta em frequência de todos os modos ressonantes) mais plana possível, considerando inclusive a absorção devida às paredes "reais" da sala. Eles desenvolveram um método computacional numérico para obter os resultados. No artigo eles mostram que o método não é perfeito mas tem muito boa concordância com medidas tomadas nas salas de teste. Uma das limitações, por exemplo, é que embora haja valores de absorção disponíveis para quase todos os materiais que compõem paredes, o valor correto a ser usado é a impedância da superfície, que considera a fase envolvida nas reflexões, e esse valor é muitas vezes difícil de ser determinado.

    Conclusão

    Para cada volume de sala é possível com este método plotar um gráfico do "erro" ou da "distância" entre uma resposta perfeitamente plana e a resposta da sala com determinadas proporções, como por exemplo este para uma sala de volume = 100 m³ (notem, não é área):

    001.jpg

    A altura é tomada como "1" e os dois eixos mostram as outras duas proporções. As áreas escuras mostram as melhores proporções (2 dB de desvio da resposta plana) e as áreas em cinza mostram outras boas proporções.

    Uma evidência dos gráficos mostrados no artigo é que o número de proporções ótimas cresce conforme o tamanho da sala cresce e, com uma única exceção, elas não coincidem. Essa "exceção" na verdade é um grupo de aproximadamente 20 proporções centrado em

    1 : 2,19 : 3

    que parece ser insensível a variações de volume para as salas testadas (50, 100 e 200 m³) e que portanto se candidata à nova "proporção mágica", pelo menos até uma próxima publicação a respeito.

    É evidente que há várias outras proporções ótimas mas elas dependem do volume da sala, por exemplo para 50 m³ (notem que devido à simetria do gráfico somente a parte superior está mostrada):

    002.jpg

    Para 100 m³:

    003.jpg

    Para 200 m³:

    004.jpg

    Logo se vê que a mancha em torno de 1:2,19:3 se repete e é relativamente imune a pequenas variações como aquelas encontradas na prática, pois uma sala real nunca tem medidas precisas.

    Se puder manter essa proporção na sala, é ideal! Boas construções!

    Abraço!

    Referências:

    [1] T. Cox, P. D'Antonio e M. Avis, Room Sizing and Optimization at Low Frequencies", JAES Vol 52 No 6 pp 640-651; June 2004
    [2] R. H. Bolt, "Note on the Normal Frequency Statistics in Rectangular Rooms", J. Acoust. Soc. Am., Vol 18, pp. 130-133 (1946)
    [3] C. L. S. Gilford, "The Acoustic Design of Talk Studios and Listening Rooms", JAES, Vol 27, pp 17-31 (Jan/Fev 1979)
    [4] M. M. Louden, "Dimension Ratios of Rectangular Rooms with Good Distribution of Eigentones", Acoustica, vol 24 pp 101-104 (1971)
    [5] O. J. Bonello, "A New Criterion for the Distribution of Normal Room Modes", JAES Vol 29 pp597-606 (Set 1981); Erratum, ibid, p 905 (Dez 1981)
    [6] R. Walker, "Optimum Dimension Ratios for Small Rooms", apresentada na 100a Convenção da AES, JAES, Vol 44 p 639 (Abstracts) (jul/Ago 1996)
    [7] EBU R22-1998, "Listening Conditions for the Assessment of Sound Programme Material", Tech. Recommendations, European Broadcasting Union (1998)

  5. #5
    Citação Enviado originalmente por Lorival Ver Mensagem
    Amigos depois de anos vou construir uma sala dedicada já que comprei outro imóvel que me permitiu este sonho.
    A sala terá 4.30 de largura e 7.30 de comprimento com um pé direito de 2,60 nos cantos e 2,70 no centro.Oque vocês acham das medidas?
    O chão vai ser assoalho de madeira devido os canos que estão sobre a laje e o teto pretendo fazer de mdf, parede frontal e traseira revestida em madeira vou postar fotos quando chegar em casa.

    abraço
    Lorival
    Lorival,

    Se me permite uma sugestão, forre o teto com gesso acartonado ou forro removível de fibra mineral (Knauf e Armstrong), terá uma solução acústica superior ao MDF além de ter a possibilidade de diversos acabamentos e muito mais facilidade na manutenção.

    http://www.armstrong-brasil.com.br/c...iles/56168.pdf

    Esta sua sala é ideal para um setup 7.1, 7.2, 9.1 e 9.2, além de poder ainda instalar um bom setup estéreo.

    Todas as paredes e cantos podem ser tratadas acusticamente com placas decorativas e o piso aconselho usar laminado tipo Durafloor, Eucafloor, Forest, Kronotex entre outros tantos e com manta isolante por baixo, assim terá o piso tratado acusticamente além de isolar contra umidade o mantendo menos frio.


    ABS e fique com DEUS

    Cláudio
    Última edição por KANAHA; 17-07-13 às 21:16.

  6. #6

    sala dedicada

    fotos do sotão inteiro e da primeira parte da sala e também da idéia final faltou colocar as caixas surround sistema 7.1.

    abç,
    Lorival
    Imagens Anexas Imagens Anexas

  7. #7
    Sensacinal !!!
    Um Abraço,
    Marcello.


    - Ainda acho a qualidade da música mais importante que a qualidade do audio. Espero evoluir nisso um dia! -

  8. #8
    Membro Avatar de iceratti
    Data de Ingresso
    Jan 2013
    Localização
    Serra Gaúcha/RS
    Mensagens
    125
    Lorival, está sala vai ficar fantástica, como é bom ter um espaço dedicado ao HT. Vou acompanhar.

  9. #9
    Membro
    Data de Ingresso
    Jun 2012
    Localização
    Brasil
    Mensagens
    2,588
    Lorival, o teto 2,70 no centro e 2,60 nos cantos acredito que seria melhor.

    Em vez de convergir tudo para um ponto, dispersar.

    Última edição por Luke; 18-07-13 às 08:25.

  10. #10
    Usei muito o Sketchup antes de montar a minha sala , ajuda bastante . Mas não entendi as fotos do sótão com relação a sala ... O sótão faz parte ?
    Pelo que entendi do modelo , os equipamentos ficarão em um nicho ( estante ) na parede lateral , é isto ? Acho a idéia bastante interessante , pois proporciona mais " ar " entre as caixas e isso é bom , pela mesma lógica , sugiro que a caixa central seja colocada junto a parede do fundo , não entre as frontais , da mesma forma eu retiraria o sub ( acredito que aquele volume atrás da central seja o sub ) e o colocaria em qualquer outro local na sala . Tenha em mente que as ondas graves não são direcionais , logo não precisam partir da frente do ouvinte , o sub pode ser colocado inclusive , atrás do ouvinte . Se o sótão é contíguo à sala de audição , eu pensaria em colocar o falante na parede que dá para a sala , usando o espaço do sótão como a " caixa " do subwoofer .

Permissões de Envio de Mensagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •